Roteirista e Escritora

Crônicas

 

Confira algumas das crônicas publicadas todas às sextas-feiras no jornal Notícias do Dia.

Espelho meu

Postado por em Mar 11, 2015 em Crônicas | 0 comentários

Espelho meu

Quando a madrasta consultava seu espelho para descobrir quem era a mais bela do reino, a resposta só lhe agradava. A cada confirmação, sentia-se mais poderosa. Quando Branca de neve cresceu, a rainha tornou a fazer a mesma pergunta. O mágico objeto não tardou a dizer que, apesar da inquestionável beleza da majestade, sua enteada havia se tornado a mais bonita de todas. Talvez tenha nascido ali, naquelas palavras dos escritores alemães, a injusta batalha de nós mesmos contra um espelho. Desde aquele dia, aprendemos a não sair mais de...

Ler mais

A sombra de Peter

Postado por em Mar 11, 2015 em Crônicas | 0 comentários

A sombra de Peter

“Todas as crianças crescem, menos uma”. Foi com essa frase que o escocês James Matthew Barrie nos apresentou Peter Pan, nos idos de 1904. Dizem por aí que James inventou o personagem enquanto contava histórias aos filhos de sua amiga, Silvia. E mesmo depois de tanto tempo, esse rapaz que se recusa a crescer continua ilustre em nossos dias. Não se trata de uma celebridade meteórica dessas que vemos amontoadas e decotadas na televisão. Com suas aventuras, Peter já deixou bem claro seu rastro definitivo de...

Ler mais

A chuva marota

Postado por em Jan 31, 2012 em Crônicas | 0 comentários

A chuva marota

Começou com um leve ruído, desses que só fazem a gente virar do lado esquerdo para o direito na cama. Pouco a pouco, o som foi chamando mais a atenção. Foi no estrondo de um trovão que percebi que o chamado era sério. Cocei os olhos para me ajudar a despertar e acendi uma luz não tão intensa: é preciso de tempo para se acostumar à claridade. Sentei-me no canto esquerdo da cama e afastei a cortina transparente com as mãos para enxergar o que se passava lá fora. São duas cortinas protegendo a janela: uma escura para dar efeito de...

Ler mais

O coração elástico

Postado por em Jan 31, 2012 em Crônicas | 0 comentários

O coração elástico

De todas as características que atribuem ao coração, a que mais me impressiona é a elasticidade: este sentir ou deixar de sentir, que movimenta a alma de tal maneira que provoca uma sensação de elasticidade lá dentro. E, feito uma mola que se instala, aprendemos a viver à espera de alguma nova emoção. Conta-se por aí que, quando a mola estica, os batimentos aceleram de tal forma que o impossível chega a nos acordar com beijos de bom-dia. A mola esticada nos deixa apaixonados, fazendo com que, sem querer colocar enfeite nas...

Ler mais

Tempos que não voltam mais

Postado por em Jan 31, 2012 em Crônicas | 0 comentários

Tempos que não voltam mais

Desde novos, começamos a envelhecer. Assim mesmo, sem que ninguém nos avise. Como se, a partir de nosso nascimento, alguma engrenagem de outros tempos começasse a funcionar, acumulando memórias a cada passo dado, sem que a gente se dê conta. Entusiasmados pelo início, partimos em direção ao futuro, rápidos como se estivesse lá algum pote de ouro contendo todas as respostas que não nos conseguiram ofertar. Assim, corremos desenfreadamente, juntando pedaços nesta que hoje representa a sua colcha de retalhos pessoal e...

Ler mais

Aprendendo a pousar

Postado por em Jan 31, 2012 em Crônicas, Slideshow | 2 comentários

Aprendendo a pousar

A sala de embarque de um aeroporto é um cenário interessante para observar a movimentação das pessoas. Ali, sem muito esforço, algumas coisas interessantes podem acontecer. Foi assim que, enquanto o café expresso não ficava pronto, reparei na aglomeração de motivos que levam tantos de um lugar para qualquer outro no mundo. São milhares, todos os dias, que partem porque o peso do lugar onde estão não é mais suportável; porque tudo parece pequeno; porque tudo é maior do que o que se imaginava; para reencontrar alguém que lhe é...

Ler mais

A hora certa das coisas

Postado por em Jan 31, 2012 em Crônicas, Slideshow | 0 comentários

A hora certa das coisas

A sede de descobrir a hora certa das coisas vem de muito tempo. Ainda pequenos, perguntávamos se era hora de comer ou de brincar. Mais além, questionávamos a hora certa em que chegaríamos a determinado lugar. Verdade que a resposta nem sempre vinha, mas ali nascia essa cisma em ajustar os ponteiros do relógio em busca do momento adequado para quase tudo na vida. Mais crescidos, às vezes, amadurecemos e refinamos os pensamentos. E continuamos na mesma procura: seria a hora correta de pedir um aumento, de pedir para sair do emprego, de...

Ler mais

Sonhos que não envelhecem

Postado por em Jan 31, 2012 em Crônicas | 0 comentários

Sonhos que não envelhecem

Falávamos dias desses, em algum lugar da cidade, sobre os sonhos de antes. Talvez porque os de hoje estão em plena construção, ainda cumprindo o seu prazo de validade. Os sonhos de outrora – alguém disse. E, com eles, uma enxurrada de pensamentos veio junto aos caminhos que justificam o que nos separaram deles. A matéria do sonho é misteriosa: misto de espera e calma que nada nos acalma. Mas, ainda assim, enquanto se é sonhador, sentimos que somos inteiros, invencíveis a qualquer descrença lá fora. Há quem diga que não...

Ler mais

Pensando em estrelas

Postado por em Jan 31, 2012 em Crônicas | 0 comentários

Pensando em estrelas

Noite vazia aquela: perfeita para rasgar papéis antigos ao som de jazz. A tranquilidade na cadência das notas do saxofone apenas interrompida por um raio lá fora, seguido de um rojão em forma de trovão. A natureza encontra cada jeito de nos puxar pedindo atenção. Fechei o livro de lições de Florbela Espanca e decidi ficar sem som, escutando a música lá de fora. Puxei uma cadeira e fiquei acompanhando uma estrela perdida na chuva que caía. Uma estrela tomando banho de chuva, quem diria. Pelo jeito, a ideia da pequena brilhante não...

Ler mais

O apontador

Postado por em Jan 31, 2012 em Crônicas | 0 comentários

Ninguém melhor do que nós mesmos para apontar de onde vem uma sensação desconhecida. Um frio na espinha. Uma pontada no estômago. Uma ardência na alma. Um coração acelerado. Vai saber. Seja como for, vamos acumulamos, sem perceber, um leque das mais diversas impressões do mundo e das pessoas que encontramos no dia a dia. Pode reparar: é uma frase atravessada aqui ou um sentimento engolido acolá. E lá vamos nós, colocando para dentro corpos que, de tão estranhos, não permitem uma digestão adequada, pois ninguém é de...

Ler mais